Imprimir

Os Senhores da Casa

A Casa de Fervença foi morgadio, instituído em 1561, com capela na Igreja Matriz de Vila do Conde e os seus Senhores, conforme documentos autênticos, não só são descendentes dos GAYOS e dos FELGUEIRAS, mas também dos ARAÚJOS, dos MAIAS, dos MACHADOS, dos PAES, dos FARIAS do Castelo de Faria, dos VASCONCELOS, dos MELLOS, dos SILVAS, dos MENEZES, dos LIRA, dos MOSCOSOS, dos PONCE DE LEON, dos CURUTELOS, dos RIBEIROS, dos LAGO, etc., mas também de D. RAMIRO III, Rei de Leão.

Foram, entre outros, Senhores da Casa de Fervença:

MARTIM GOMES GAYO, serviu a D. Afonso III, a D. Diniz e a D. Afonso IV, acompanhando este na Batalha do Salado e nela morrendo.

LOURENÇO MARTINS GAYO, filho do antecedente, que se apelidava de LEIRIA, por ter sido Alcaide-mor deste castelo. Serviu a El-Rei D. Pedro I e tanta confiança lhe mereceu, que El-Rei lhe entregou a criação de seu filho bastardo D. João, Mestre de Aviz e depois El-Rei D. João I, ao qual também serviu e acompanhou, quando este matou o Conde de Andeiro, na batalha de Aljubarrota, e em outras ocasiões, pelo que este lhe deu a alcaidaria-mor de Leiria e o fez Tesoureiro da Casa Real.

ESTEVÃO LOURENÇO GAYO, filho do antecedente, foi armado cavaleiro por El-Rei D. João I antes de entrar na batalha de Aljubarrota e era casado com D. Thereza de Faria, filha do heróico Alcaide do Castelo de Faria, Nuno Gonçalves e de sua 1ª mulher D.Thereza de Meira, filha de Gonçalo Paes de Meira, Senhor de Ponte de Lima, Colares e outras terras.

FERNÃO ANNES GAYO, filho do antecessor, foi casado com D. Isabel de Andrade

MARTIM GOMES GAYO, filho do antecessor, foi casado com D. Viollante de Novva

JOÃO GOMES GAYO, filho do antecessor, num duelo matou o senhor da Casa de Cavaleiros, por ambos pretenderem a Quita e Couto de Bouçò, em Vila do Conde, pelo que El-Rei D. João I lhe mandou confiscar todos os bens. Nestes apuros decidiu armar um navio e, fazendo-se pirata, tantas proezas obrou contra os inimigos de Portugal e do Papa, que El-Rei D. Manuel lhe perdoou, mandando restituir-lhe todos os bens e fazendo-lhe muitas mercês. Também o Papa lhe concedeu graças e um Breve para que, na sua Capela da Madre de Deus, da Póvoa de Varzim, pudesse ter o Santíssimo Sacramento.

JOÃO MARTINS GAYO, filho do antecedente, foi também senhor do Couto de Bouçó e assistiu em Vila do Conde. Foi armado cavaleiro pelo famoso Capitão Luiz Loureiro, em 1543 na praça de Çafim, quando o Xarife, Rei de Marrocos veio sobre ela. Foi casado com D. Maria Affonso da Maia.

ANTÓNIO MARTINS GAYO, filho do antecessor, foi também senhor do Couto de Bouçó e da Honra de Palmeira de Faro. Armado cavaleiro, como seu pai, pelo Capitão Luiz Loureiro, viu tal honraria ser mais tarde confirmada, por El-Rei D. João III. Foi Capitão-Mor de Vila do Conde e instituiu em 25-1-1561 o Morgado dos Gayos Felgueiras da Casa de Fervença, com capela de S. Miguel - o - Anjo na Igreja Matriz de Vila do Conde, onde foi sepultado. Foi casado com D. Maria Felgueiras de Valladares.

MANOEL GAYO FELGUEIRAS, irmão do antecedente, tirou Brasão de Armas a 2-4-1578, e serviu D. Sebastião com alguns galeões, à sua custa.

JOÃO FELGUEIRAS GAYO, chamado o VELHO, filho do antecedente, foi também senhor da Honra de Palmeira do Faro e Capitão de Infantaria. Casou com D. Mércia Carneiro, senhora da Quinta da Barca do Lago.

MANUEL GAYO CARNEIRO, filho do antecessor, foi também senhor da Quinta da Barca do Lago com a qual instituiu em Abril de 1664 um Morgado de Capela da invocação de Nossa Senhora Peregrina, dotando-o com as estalagens que havia junto à passagem da Barca. Foi cativo na batalha de Alcácer e mais tarde, Fidalgo da Casa Real por mercê de El-Rei D. João IV, em recompensa do acto heróico de seu irmão PEDRO CARNEIRO GAYO, cavaleiro Maltez e Comendador de Cernelhe. Este PEDRO CARNEIRO GAYO, no ano de 1648, indo como Capitão de Mar e Guerra num dos galeões da armada real que fez a restauração do Brasil, pelejou tão valorosamente contra 8 fragatas Holandesas, que meteu a fundo duas e desmastriou uma. Vendo-se porém, com a maior parte da tripulação morta ou ferida na sua nau do Rosário, incluindo o seu sobrinho BARTHOLOMEU FELGUEIRAS GAYO, da Casa de Fervença, e temendo ser feito prisioneiro, teve a coragem de antes querer morrer ali, do que passar por tal baixeza. Assim pensando, assentou-se sobre um barril de pólvora, e ele mesmo, pegando-lhe fogo, fez explodir a nau: morreram todos e consigo afundou, mais duas naus inimigas. Antes morrer do que ser prisioneiro. Assim gritava Pedro Carneiro Gayo, e toda a sua gente, em tais apertos, o seguiu: porque morrer pela Pátria è doce e decoroso. Assim morreu PEDRO CARNEIRO GAYO, porque era descendente do Alcaide do Castelo de Faria NUNO GONÇALVES DE FARIA, exemplo sublime da lealdade portuguesa.Em memória deste acto heróico de PEDRO CARNEIRO GAYO, D. João IV, mandou fazer um retrato que tinha no Paço Real, segundo consta de um autentico alvará passado em Lisboa em 8 de Julho de 1549, e registado na Chancelaria no Livro dos Privilégios e Mercês na pagina 220 verso.

JOÃO FELGUEIRAS GAYO, filho do antecessor, foi Comendador de S. Facundo na Ordem de Cristo, foi Mestre de Campo de Infantaria da Província do Minho e Governador das Armas do Porto e da Província do Minho, nas ausências do Marquez de Minas, por Carta Régia. Serviu os Reis D. João IV, D. Afonso VI e D. Pedro II. Casou com a sua parente D. Brites da Silva Pimenta, filha herdeira de Belchior Pimenta da Silva, juiz da Alfândega de Viana e de sua mulher D. Maria Fagundes do Rego Barbosa.

D. ANTÓNIA LUIZA FELGUEIRAS GAYO, filha do antecessor, casou com o seu parente Rui Mendes de Vasconcelos Pereira de Melo, Senhor da Quinta de Alvarenga, em Cinfães e filho herdeiro de Manuel de Vasconcelos Pereira de Melo e de sua mulher D. Ana de Melo.

JOÃO VASCONCELOS FELGUEIRAS GAYO, filho da antecessora, foi também Senhor da Quita da Barca do Lago por herança de seu tio Frei Pedro Carneiro.

BELCHIOR DE VASCONCELOS CARNEIRO GAYO, irmão do antecessor, foi também Senhor das Casas de Barca do Lago, Alvarenga e Padroeiro de Lazarim e Moço Fidalgo por Alvará de 20-6-1713. Casou em 1753 com D. Ana Joaquina de Menezes, filha de Manuel Carlos Bacelar Malheiro, Senhor do Morgado da Gandra e de sua mulher e prima D. Luiza Caetana de Menezes, da Casa de Freiria.

RODRIGO MENDES DE VASCONCELOS E MELO filho do antecessor, foi Moço Fidalgo da Casa Real e casou com D. Cecília Margarida de Menezes, filha de Henrique de Melo da Silva Azambuja e de sua mulher D. Eugénia Josefa de Menezes.

JOSÉ MANUEL DE VASCONCELOS FELGUEIRAS GAYO PEREIRA DE MELO, irmão do antecessor e dele herdando todos os bens. Foi Moço Fidalgo da Casa Real e casou em 1790, com D. Ana Joaquina de Sá Ataíde, Senhora do Prazo do Faial, em Barcelos, nascida a 10-1-1758, filha de Luiz Manuel de Azevedo Sá Coutinho, Senhor da Casa de S. João de Rei e da Tapada e de sua mulher D. Bárbara Micaela Xavier de Ataíde Menezes e Cunha, morrendo sem geração.

ANTÓNIO JOAQUIM DO LAGO JÁCOME DA SILVA GAYO, parente do antecessor, Senhor do Castelo de Curutelo, em S. Julião do Freixo, filho de João Jácome do Lago Felgueiras Gayo e de sua mulher D. Quitéria de Moscoso Sottomayor. Casou em 1787, na Galiza, com D. Clara Maria Micaela Antónia Ponce de Léon e Avalles, filha de D. José Ponce de Léon, Senhor do Morgado de Porto Carrero na Galiza, e de sua mulher D. Maria Jacinta de Avalles, Senhora de Fiolhe.

JOÃO MANUEL JÁCOME DO LAGO FELGUEIRAS GAYO PONCE DE LÉON, filho do antecessor, nascido a 12-12-1788, foi também Senhor do Castelo de Curutelo e da Casa da Barca do Lago e de todos os demais bens de seus pais. Foi Comendador da Ordem da Conceição e Cavaleiro da Ordem de Cristo.

D. ROSA MARIA DO LAGO FELGUEIRAS GAYO, filha do antecessor, nasceu no Castelo de Curutelo a 7-4-1842 e foi também Senhora da Casa da Barca do Lago. Casou, em 1854, com o seu parente José Machado Paes de Araújo Felgueiras Gayo, nascido a 28-12-1819 e falecido em Abril de 1883, filho de Belchior Machado Paes de Araújo Felgueiras Gayo e de D. Ana Joaquina de Queirós Machado.

CARLOS ALBERTO MACHADO PAES DE ARAÚJO FELGUEIRAS GAYO, filho da antecessora, nasceu a 21-12-1865. Foi por Decreto de El-Rei D. Carlos I em 10-6-1905, nomeado Visconde de Fervença. Casou em 1900 com D. Cândida Gomes Vinha, nascida a 22-4-1885 e falecida em Agosto de 1914, filha de António Gomes Vinha e de D. Maria Júlia dos Santos Silva. Casou em segundas núpcias com a sua cunhada, irmã da primeira mulher, D. Elisa Gomes Vinha, em 4-11-1917. CARLOS EDUARDO MACHADO PAES DE ARAÚJO FELGUEIRAS GAYO, filho do antecessor e da sua primeira mulher, nasceu na Casa de Fervença a 2-1-1902. Dedicou toda a sua vida à investigação agronómica, vindo por isso a ser agraciado, a título póstumo, em 10 de Junho de 1953, com a Comenda de Mérito Agrícola. Casou em 8-12-1940 com D. Maria Gonçalves da Silva Reis, filha de Manuel Gonçalves da Silva e de D. Ana da Costa Reis e faleceu na sua Casa de Fervença, em 25-5-1953.

EDUARDO ALBERTO DA SILVA FELGUEIRAS GAYO, filho do antecessor, nascido na Casa de Fervença a 1-7-1946, casou com D. Marlene Doroti Oliveira e Silva Felgueiras Gayo, nascida a 6-12-1946, filha de Alberto Lopes da Silva e de D. Maria da Costa Oliveira.

 

A Casa de Fervença foi morgadio, instituído em 1561, com capela na Igreja Matriz de Vila do Conde e os seus Senhores, conforme documentos autênticos, não só são descendentes dos GAYOS e dos FELGUEIRAS, mas também dos ARAÚJOS, dos MAIAS, dos MACHADOS, dos PAES, dos FARIAS do Castelo de Faria, dos VASCONCELOS, dos MELLOS, dos SILVAS, dos MENEZES, dos LIRA, dos MOSCOSOS, dos PONCE DE LEON, dos CURUTELOS, dos RIBEIROS, dos LAGO, etc., mas também de D. RAMIRO III, Rei de Leão.

Foram, entre outros, Senhores da Casa de Fervença:

MARTIM GOMES GAYO, serviu a D. Afonso III, a D. Diniz e a D. Afonso IV, acompanhando este na Batalha do Salado e nela morrendo.

LOURENÇO MARTINS GAYO, filho do antecedente, que se apelidava de LEIRIA, por ter sido Alcaide-mor deste castelo. Serviu a El-Rei D. Pedro I e tanta confiança lhe mereceu, que El-Rei lhe entregou a criação de seu filho bastardo D. João, Mestre de Aviz e depois El-Rei D. João I, ao qual também serviu e acompanhou, quando este matou o Conde de Andeiro, na batalha de Aljubarrota, e em outras ocasiões, pelo que este lhe deu a alcaidaria-mor de Leiria e o fez Tesoureiro da Casa Real.

ESTEVÃO LOURENÇO GAYO, filho do antecedente, foi armado cavaleiro por El-Rei D. João I antes de entrar na batalha de Aljubarrota e era casado com D. Thereza de Faria, filha do heróico Alcaide do Castelo de Faria, Nuno Gonçalves e de sua 1ª mulher D.Thereza de Meira, filha de Gonçalo Paes de Meira, Senhor de Ponte de Lima, Colares e outras terras.

FERNÃO ANNES GAYO, filho do antecessor, foi casado com D. Isabel de Andrade

MARTIM GOMES GAYO, filho do antecessor, foi casado com D. Viollante de Novva

JOÃO GOMES GAYO, filho do antecessor, num duelo matou o senhor da Casa de Cavaleiros, por ambos pretenderem a Quita e Couto de Bouçò, em Vila do Conde, pelo que El-Rei D. João I lhe mandou confiscar todos os bens. Nestes apuros decidiu armar um navio e, fazendo-se pirata, tantas proezas obrou contra os inimigos de Portugal e do Papa, que El-Rei D. Manuel lhe perdoou, mandando restituir-lhe todos os bens e fazendo-lhe muitas mercês. Também o Papa lhe concedeu graças e um Breve para que, na sua Capela da Madre de Deus, da Póvoa de Varzim, pudesse ter o Santíssimo Sacramento.

JOÃO MARTINS GAYO, filho do antecedente, foi também senhor do Couto de Bouçó e assistiu em Vila do Conde. Foi armado cavaleiro pelo famoso Capitão Luiz Loureiro, em 1543 na praça de Çafim, quando o Xarife, Rei de Marrocos veio sobre ela. Foi casado com D. Maria Affonso da Maia.

ANTÓNIO MARTINS GAYO, filho do antecessor, foi também senhor do Couto de Bouçó e da Honra de Palmeira de Faro. Armado cavaleiro, como seu pai, pelo Capitão Luiz Loureiro, viu tal honraria ser mais tarde confirmada, por El-Rei D. João III. Foi Capitão-Mor de Vila do Conde e instituiu em 25-1-1561 o Morgado dos Gayos Felgueiras da Casa de Fervença, com capela de S. Miguel - o - Anjo na Igreja Matriz de Vila do Conde, onde foi sepultado. Foi casado com D. Maria Felgueiras de Valladares.

MANOEL GAYO FELGUEIRAS, irmão do antecedente, tirou Brasão de Armas a 2-4-1578, e serviu D. Sebastião com alguns galeões, à sua custa.

JOÃO FELGUEIRAS GAYO, chamado o VELHO, filho do antecedente, foi também senhor da Honra de Palmeira do Faro e Capitão de Infantaria. Casou com D. Mércia Carneiro, senhora da Quinta da Barca do Lago.

MANUEL GAYO CARNEIRO, filho do antecessor, foi também senhor da Quinta da Barca do Lago com a qual instituiu em Abril de 1664 um Morgado de Capela da invocação de Nossa Senhora Peregrina, dotando-o com as estalagens que havia junto à passagem da Barca. Foi cativo na batalha de Alcácer e mais tarde, Fidalgo da Casa Real por mercê de El-Rei D. João IV, em recompensa do acto heróico de seu irmão PEDRO CARNEIRO GAYO, cavaleiro Maltez e Comendador de Cernelhe. Este PEDRO CARNEIRO GAYO, no ano de 1648, indo como Capitão de Mar e Guerra num dos galeões da armada real que fez a restauração do Brasil, pelejou tão valorosamente contra 8 fragatas Holandesas, que meteu a fundo duas e desmastriou uma. Vendo-se porém, com a maior parte da tripulação morta ou ferida na sua nau do Rosário, incluindo o seu sobrinho BARTHOLOMEU FELGUEIRAS GAYO, da Casa de Fervença, e temendo ser feito prisioneiro, teve a coragem de antes querer morrer ali, do que passar por tal baixeza. Assim pensando, assentou-se sobre um barril de pólvora, e ele mesmo, pegando-lhe fogo, fez explodir a nau: morreram todos e consigo afundou, mais duas naus inimigas. Antes morrer do que ser prisioneiro. Assim gritava Pedro Carneiro Gayo, e toda a sua gente, em tais apertos, o seguiu: porque morrer pela Pátria è doce e decoroso. Assim morreu PEDRO CARNEIRO GAYO, porque era descendente do Alcaide do Castelo de Faria NUNO GONÇALVES DE FARIA, exemplo sublime da lealdade portuguesa.Em memória deste acto heróico de PEDRO CARNEIRO GAYO, D. João IV, mandou fazer um retrato que tinha no Paço Real, segundo consta de um autentico alvará passado em Lisboa em 8 de Julho de 1549, e registado na Chancelaria no Livro dos Privilégios e Mercês na pagina 220 verso.

JOÃO FELGUEIRAS GAYO, filho do antecessor, foi Comendador de S. Facundo na Ordem de Cristo, foi Mestre de Campo de Infantaria da Província do Minho e Governador das Armas do Porto e da Província do Minho, nas ausências do Marquez de Minas, por Carta Régia. Serviu os Reis D. João IV, D. Afonso VI e D. Pedro II. Casou com a sua parente D. Brites da Silva Pimenta, filha herdeira de Belchior Pimenta da Silva, juiz da Alfândega de Viana e de sua mulher D. Maria Fagundes do Rego Barbosa.

D. ANTÓNIA LUIZA FELGUEIRAS GAYO, filha do antecessor, casou com o seu parente Rui Mendes de Vasconcelos Pereira de Melo, Senhor da Quinta de Alvarenga, em Cinfães e filho herdeiro de Manuel de Vasconcelos Pereira de Melo e de sua mulher D. Ana de Melo.

JOÃO VASCONCELOS FELGUEIRAS GAYO, filho da antecessora, foi também Senhor da Quita da Barca do Lago por herança de seu tio Frei Pedro Carneiro.

BELCHIOR DE VASCONCELOS CARNEIRO GAYO, irmão do antecessor, foi também Senhor das Casas de Barca do Lago, Alvarenga e Padroeiro de Lazarim e Moço Fidalgo por Alvará de 20-6-1713. Casou em 1753 com D. Ana Joaquina de Menezes, filha de Manuel Carlos Bacelar Malheiro, Senhor do Morgado da Gandra e de sua mulher e prima D. Luiza Caetana de Menezes, da Casa de Freiria.

RODRIGO MENDES DE VASCONCELOS E MELO filho do antecessor, foi Moço Fidalgo da Casa Real e casou com D. Cecília Margarida de Menezes, filha de Henrique de Melo da Silva Azambuja e de sua mulher D. Eugénia Josefa de Menezes.

JOSÉ MANUEL DE VASCONCELOS FELGUEIRAS GAYO PEREIRA DE MELO, irmão do antecessor e dele herdando todos os bens. Foi Moço Fidalgo da Casa Real e casou em 1790, com D. Ana Joaquina de Sá Ataíde, Senhora do Prazo do Faial, em Barcelos, nascida a 10-1-1758, filha de Luiz Manuel de Azevedo Sá Coutinho, Senhor da Casa de S. João de Rei e da Tapada e de sua mulher D. Bárbara Micaela Xavier de Ataíde Menezes e Cunha, morrendo sem geração.

ANTÓNIO JOAQUIM DO LAGO JÁCOME DA SILVA GAYO, parente do antecessor, Senhor do Castelo de Curutelo, em S. Julião do Freixo, filho de João Jácome do Lago Felgueiras Gayo e de sua mulher D. Quitéria de Moscoso Sottomayor. Casou em 1787, na Galiza, com D. Clara Maria Micaela Antónia Ponce de Léon e Avalles, filha de D. José Ponce de Léon, Senhor do Morgado de Porto Carrero na Galiza, e de sua mulher D. Maria Jacinta de Avalles, Senhora de Fiolhe.

JOÃO MANUEL JÁCOME DO LAGO FELGUEIRAS GAYO PONCE DE LÉON, filho do antecessor, nascido a 12-12-1788, foi também Senhor do Castelo de Curutelo e da Casa da Barca do Lago e de todos os demais bens de seus pais. Foi Comendador da Ordem da Conceição e Cavaleiro da Ordem de Cristo.

D. ROSA MARIA DO LAGO FELGUEIRAS GAYO, filha do antecessor, nasceu no Castelo de Curutelo a 7-4-1842 e foi também Senhora da Casa da Barca do Lago. Casou, em 1854, com o seu parente José Machado Paes de Araújo Felgueiras Gayo, nascido a 28-12-1819 e falecido em Abril de 1883, filho de Belchior Machado Paes de Araújo Felgueiras Gayo e de D. Ana Joaquina de Queirós Machado.

CARLOS ALBERTO MACHADO PAES DE ARAÚJO FELGUEIRAS GAYO, filho da antecessora, nasceu a 21-12-1865. Foi por Decreto de El-Rei D. Carlos I em 10-6-1905, nomeado Visconde de Fervença. Casou em 1900 com D. Cândida Gomes Vinha, nascida a 22-4-1885 e falecida em Agosto de 1914, filha de António Gomes Vinha e de D. Maria Júlia dos Santos Silva. Casou em segundas núpcias com a sua cunhada, irmã da primeira mulher, D. Elisa Gomes Vinha, em 4-11-1917. CARLOS EDUARDO MACHADO PAES DE ARAÚJO FELGUEIRAS GAYO, filho do antecessor e da sua primeira mulher, nasceu na Casa de Fervença a 2-1-1902. Dedicou toda a sua vida à investigação agronómica, vindo por isso a ser agraciado, a título póstumo, em 10 de Junho de 1953, com a Comenda de Mérito Agrícola. Casou em 8-12-1940 com D. Maria Gonçalves da Silva Reis, filha de Manuel Gonçalves da Silva e de D. Ana da Costa Reis e faleceu na sua Casa de Fervença, em 25-5-1953.

EDUARDO ALBERTO DA SILVA FELGUEIRAS GAYO, filho do antecessor, nascido na Casa de Fervença a 1-7-1946, casou com D. Marlene Doroti Oliveira e Silva Felgueiras Gayo, nascida a 6-12-1946, filha de Alberto Lopes da Silva e de D. Maria da Costa Oliveira.

 

3

 

O actual proprietário da Casa de Fervença, Eduardo Alberto da Silva Felgueiras Gayo, descende por linha directa e sem bastardia do histórico Alcaide do Castelo de Faria, Nuno Gonçalves, a saber:

Filho Paterno

Carlos Eduardo Machado Paes de Araújo Felgueiras Gayo

D. Maria Gonçalves da Silva Reis

Neto Paterno

Carlos Alberto Machado Paes de Araújo Felgueiras Gayo

D. Cândida Gomes Vinha

Bisneto Paterno

José Machado Paes de Araújo Felgueiras Gayo

D. Rosa Maria do Lago Felgueiras Gayo

Trineto Paterno

 

João Manuel Jácome do Lago Felgueiras Gayo Ponce de Leão

D. Maria Josefa de Magalhães

Quadrineto Paterno

António Joaquim do Lago da Silva Gayo de Moscoso

D. Clara Ponce de Leão e Avalle

Quinto Neto Paterno

 

João Jacome do Lago da Silva Gayo

D. Antónia Quitéria de Castro Sottomayor Pacheco

Sexto Neto Paterno

Gregório José da Silva Gayo Jacome do Lago

D. Francisca Xavier Carneiro Tinoco

Sétimo Neto Paterno

 

António da Silva Jácome do Lago

D. Margarida de Magalhães Barros

Oitavo Neto Paterno

João Jácome do Lago

D. Catarina Pimenta da Silva

Nono Neto Paterno

Gaspar Rodrigues do Lago

D. Antónia Gayo de Valladares

Décimo Neto Paterno

António Martins Gayo

D. Maria Felgueiras de Valladares

Décimo Primeiro Neto Paterno

João Martins Gayo

D. Maria Affonso da Maia

Décimo Segundo Neto Paterno

João Gomes Gayo

D. Maria Dias da Maia

Décimo Terceiro Neto Paterno

 

Martim Gomes Gayo

D. Viollante de Novoa

Décimo Quarto Neto Paterno

Fernão Annes Gayo

D. Isabel de Andrade

Décimo Quinto Neto Paterno

Estêvão Lourenço Gayo

D. Thereza de Meira de Faria

Décimo Sexto Neto

Lourenço Martins Gayo

D. Eyria Paes de Lisboa

e

Nuno Gonçalves de Faria

D.Thereza de Meira

Décimo Sexto Neto

Martim Gomes Gayo

D.Aldonça Anes de Belmir e

Gonçalo Fernandes de Faria

D. ......?

Apoio online

Google Talk    ctfervenca

Skype    ctfervenca

Vodafone Extreme    918 218 860

Optimus TAG    939 675 885

Newsletter